Setor pecuário debate a produção da carne e o futuro da bovinocultura de corte

Durante evento técnico da ExpoLondrina os criadores receberam informações para aumentar a competitividade no setor

O futuro da pecuária paranaense: a modernização da pecuária com ênfase na produção de carcaça de qualidade”. Esse foi o tema do painel do setor pecuário. Durante a tarde de quarta-feira (10), pecuaristas e técnicos discutiram o futuro da produção de carnes no Paraná.

Os painelistas convidados foram: Guilherme Mossa Souza Dias, da FAEP; o veterinário Luiz Fernando Menegazzo Gheler, da Cooperativa Aliança, de Guarapuava; o veterinário Piotre Loginski, da Padrão Beef, de Cascavel e o zootecnista da Cooper Carnes, Geraldo Moreli.

O zootecnista da Emater e coordenador do evento, Luiz Fernando Brondane, explica que o painel quis mostrar para o produtor para onde caminha a pecuária paranaense. “Hoje nós estamos trabalhando com animais que produzem com qualidade, vendendo com valor agregado, mas também temos o produtor que está com aquela pecuária tradicional, não muda e muitas vezes está sem esperança e não acha um rumo certo. Queremos mostrar que, se ele não trabalhar uma pecuária mais intensiva sendo um pouco mais profissional dentro do seu sistema, ele não consegue agregar valor a esse produto e consequentemente, ele não consegue ter uma rentabilidade interessante na sua propriedade”.

A principal orientação para o produtor é começar a mudança dentro da propriedade e definir o sistema criatório que ele vai usar. “A partir da definição do que ele vai criar, ele tem que ter bem claro na cabeça se ele vai produzir carne ou só bezerro. Se ele vai produzir carne, vai ter que fazer esse bezerro virar carne num período inferior a 24 meses. Isso é investir em qualidade porque tem mais valor agregado. Esse valor agregado ele só consegue quando ele está preparado para a venda para uma cooperativa. Nós não queremos que ele faça esse produto todo de qualidade e na hora de vender, não saiba o que fazer. A gente quer mostrar que a partir do momento que ele se torna um profissional, sabe o que quer, ele vai ver que a pecuária é um negócio muito competitivo e que muitas vezes supera alguns itens da agricultura. Nesse momento, em que o setor agrícola passa por algumas dificuldades, a pecuária de corte intensiva é altamente interessante para o produtor”, explica Luiz Fernando.

Notícia anterior Sociedade Rural anuncia... Próxima notícia Esquadrilha da Fumaça...