Prefeitos de 11 municípios discutem prejuízos com Usina hidrelétrica de Capivara

Nível da água da represa preocupa empreendedores

Os 11 municípios com áreas encobertas pelo reservatório da Usina Hidrelétrica Capivara, no rio Paranapanema, farão reunião nesta sexta-feira (12), na Sociedade Rural do Paraná, durante a ExpoLondrina.

 

Unidos no Consórcio Intermunicipal da Bacia Capivara (CIBACAP), os prefeitos reclamam de prejuízos que vão da economia ao turismo, além do ambiental. Os prejuízos são comuns aos municípios de Alvorada do Sul, Florestópolis, Ibiporã, Jataizinho, Leópolis, Porecatu, Primeiro de Maio, Rancho Alegre, Santa Mariana, Sertanópolis e Sertaneja.

 

Um deles é provocado pela oscilação do nível de água que compromete a piscicultura. Na propriedade de Paulo Ferro, que fica no município de Alvorada do Sul,,a produção anual alcança 700 toneladas. Este ano, em uma única ocasião em que ocorreu a baixa do nível da água da represa, ele perdeu 10 toneladas de peixe, um prejuízo de R$ 50 mil reais. “Quando o nível da água baixa nós temos que deslocar os tanques de lugar até onde o nível de água está mais alto. Imagina fazer isso com 300 tanques? Precisa de maquinário, trator e mão-de-obra para todo este trabalho. O custo de produção dobra”, explica Paulo Ferro.

 

A Tilápia já é o segundo maior produto de Alvorada do Sul depois da soja, com 11 toneladas/dia. Com a instalação de um frigorífico de tilápia no município, as preocupações aumentaram. O frigorífico terá capacidade para 50 toneladas/dia e uma queda na produção trará prejuízos para produtores e município. Produção que depende do nível de água estabilizado no lago.

 

Água baixa também é sinônimo de prejuízo para o turismo. A Ilha do Sol, no município de Sertaneja, foi escolhida para a instalação do Hard Rock Hotel, que fica no meio da represa de Capivara, a 75 quilômetros de Londrina. O empreendimento deverá ser inaugurado no ano que vem. “Os turistas que vão se hospedar querem aproveitar os passeios e esportes náuticos e para isso nós dependemos do nível da água”, comenta Jamison Donizete da Silva, prefeito de sertaneja.

 

A prefeitura está construindo uma marina, outro motivo de preocupação. Em Sertaneja ocorre o encontro das águas dos Rios Tibagi e Paranapanema. “Quando a água baixa, abre uma estrada no meio. Dá para passar de carro. Como é que ficam os barcos nessa situação?”, comenta.

 

Além de grandes empreendimentos, como o Hard Rock Hotel, há nos municípios chácaras de lazer nos 126 km de margem da represa Capivara que também são afetadas pelo baixo nível da água. Em Sertaneja, segundo a prefeitura, são cerca de 2.500. Em Alvorada do Sul, o número chega a 5.500. O número de habitantes de Alvorada do Sul aumenta de pouco mais de 11 mil habitantes para 30 mil em época de temporada.

 

Reivindicações –O presidente do Consórcio e prefeito de Alvorada do Sul, Marco Antônio Voltarelli, convocou uma reunião dos prefeitos durante a ExpoLondrina.

 

Com a sede do governo em Londrina, os prefeitos querem aproveitar a presença do governador e dos secretários para tratar do assunto, que envolve órgãos estaduais, como o IAP.

 

Na pauta estão a oscilação do nível do Lago da Represa Capivara e seus impactos, criação de Comissão de Estudos Jurídicos para um diagnóstico socioambiental da área, após execução do TAC firmado em 30/06/2000, atualmente questionado pelo Ministério Público e projetos de fomento ao turismo e desenvolvimento socioeconômico.

 

“A hidrelétrica depende das licenças emitidas por órgãos estaduais, então, nós entendemos que o Governo pode ajudar nessa negociação”, comentou Marco Antônio Voltarelli, presidente do CIBACAP.

 

Na época da assinatura do TAC, a responsável era a Duke-Energy Internacional, sucessora da Companhia Energética de São Paulo (CESP), que vendeu para outra empresa, a CTG Brasil.

 

Serviço

 

Data: sexta-feira (12)

 

Local: Parque de Exposições Governador Ney Braga

 

Horário:  11 horas

Notícia anterior Sociedade Rural anuncia... Próxima notícia Quitutes a base de peixe...